A cada ano, o número de aplicativos móveis está crescendo. A pandemia, os cataclismos mundiais e as guerras tornam-se um impulso para o desenvolvimento de tecnologias. Hoje, estamos prontos para embolsar nossas vidas inteiras: 2.110.063 aplicativos estão disponíveis para download na App Store e 3.298.329 aplicativos estão disponíveis para download no Google Play Market no primeiro trimestre de 2022, de acordo com statista.com. A Statista Digital Market Outlook estima que a receita na maioria dos segmentos crescerá nos próximos anos, atingindo cerca de US$ 613 bilhões até 2025.

Você está pronto para criar seu aplicativo móvel? Para começar, leia este artigo.

Tipos de aplicativos móveis

No estágio inicial, empresas e clientes individuais que decidem criar um aplicativo móvel para negócios ou suas necessidades são confrontados com a escolha do tipo de aplicativo – nativo, web ou híbrido. Este artigo irá ajudá-lo a lidar com esse problema e focar em aplicativos nativos e suas diferenças de todos os outros.

Aplicativos nativos

Um aplicativo móvel nativo é um aplicativo criado para uma plataforma específica. O aplicativo móvel nativo é escrito na linguagem de programação nativa da plataforma: para Android — Kotlin e Java, para Apple iOS — Objective-C e Swift. Um aplicativo móvel nativo tem acesso a todas as tecnologias nativas e recursos de hardware de uma plataforma específica. Os aplicativos móveis nativos devem ser baixados e instalados no dispositivo, por exemplo, por meio do Google Play Market e da App Store oficiais.

Prós:

  • acesso ao hardware do dispositivo (geolocalização, câmera, microfone, acelerômetro, sensores de luz, calendário, notificações push) e ampla funcionalidade devido a isso;
  • pode satisfazer mais solicitações diferentes de clientes e usuários;
  • os dados do usuário podem ser facilmente coletados e analisados;
  • geralmente, eles funcionam de forma mais estável e eficiente com qualquer dispositivo usado em seu sistema operacional;
  • não há limitação na funcionalidade da velocidade e qualidade da conexão com a Internet - o aplicativo pode funcionar sem acesso à rede;
  • mais adequado para aplicativos com interfaces personalizadas e lógica de negócios complexa.

Contras:

  • desenvolvimento caro;
  • o desenvolvimento leva muito tempo;
  • cada loja de aplicativos deve verificar aplicativos nativos;
  • cobrem poucas plataformas e são incompatíveis com outros sistemas operacionais;
  • mesmo pequenas mudanças requerem atualizações regulares.

Aplicativos da Web

Eles funcionam por meio de um navegador da Web no dispositivo do usuário. São sites personalizados que se parecem com aplicativos reais, mas não estão hospedados no dispositivo do usuário. Você abre de um telefone, tablet, laptop ou PC de mesa (um aplicativo da Web não é necessariamente apenas para dispositivos móveis) uma página na Internet que "corta" o aplicativo. É semelhante ao armazenamento de dados na nuvem ou no disco rígido de um computador. Muitas vezes, um aplicativo da Web complementa um aplicativo nativo para dispositivos móveis e vice-versa. Com desenvolvimento de qualidade, os aplicativos web funcionam quase como os nativos. Vamos entender esse “quase” qual é a diferença.

Prós:

  • os aplicativos da web podem funcionar em uma plataforma com qualquer sistema operacional;
  • os desenvolvedores não precisam aprovar o aplicativo nas lojas;
  • o ciclo de desenvolvimento de CSS, HTML e JavaScript é muitas vezes mais rápido.

Contras:

  • não há acesso ao hardware dos dispositivos do usuário, o que reduz significativamente a funcionalidade dos aplicativos web (por exemplo, é impossível fazer um aplicativo web que use o acelerômetro no dispositivo ou ligue a câmera);
  • o uso é possível apenas pela Internet e depende de sua disponibilidade, velocidade e operação estável;
  • os aplicativos não são catalogados em um só lugar e são mais difíceis de encontrar.

Aplicativos híbridos

Aplicativos híbridos são um compromisso entre aplicativos nativos e web. Eles são colocados dentro do aplicativo nativo e funcionam através do WebView. Eles têm acesso às informações no dispositivo do usuário.

Eles parecem e funcionam como aplicativos nativos: podem ser baixados da loja e instalados no dispositivo. A instalação pode ser nominal, pois tais aplicativos têm acesso aos dados do usuário, mas muitas vezes não armazenam seus dados diretamente no dispositivo do usuário.

WebView é um componente do sistema que abre páginas da Web em outros aplicativos. Quando você abre um link específico em uma rede social ou cliente de e-mail, ele começa na interface da rede social ou do próprio cliente de e-mail, em vez de ir para o navegador. É o trabalho do WebView.

Prós:

  • funcionalidade abrangente e alto grau de personalização;
  • você pode criar um aplicativo que funcionará com várias plataformas;
  • reduzir o custo e agilizar o desenvolvimento de um MVP ou um simples produto acabado para os clientes;
  • são uma solução intermediária entre a funcionalidade e desempenho de uma aplicação nativa e o baixo custo de uma aplicação web.

Contras:

  • aplicativos que são muito complexos são melhores para criar nativos, assim como aplicativos com soluções visuais complicadas como jogos;
  • o desenvolvimento exigirá mais tempo e esforço para fazer com que o aplicativo híbrido pareça nativo;
  • as lojas rejeitam aplicativos que não funcionam bem o suficiente e é essencial atender aos padrões de qualidade.

Aplicativos multiplataforma

O desenvolvimento de aplicativos multiplataforma significa que o aplicativo é desenvolvido com uma tecnologia/linguagem/framework que permite que ele seja usado em vários sistemas operacionais diferentes — Android, iOS, Windows, Linux, etc. Por exemplo, aplicativos React-Native podem funcionar em Android e iOS.

O desenvolvimento de aplicativos híbridos significa que um aplicativo é desenvolvido usando várias linguagens/tecnologias, mas nem sempre significa que será multiplataforma. Os aplicativos podem ser híbridos, mas não necessariamente serão considerados multiplataforma.

Um aplicativo pode ser considerado multiplataforma, mas não precisa ser híbrido. Pode ser um aplicativo da web ou até mesmo nativo (por exemplo, a estrutura React Native usa um tempo de execução JavaScript para renderizar o código JavaScript e depois publicar o aplicativo no Google Play Market e na App Store).

Da mesma forma, os aplicativos podem ser híbridos e multiplataforma simultaneamente (por exemplo, React-Native + linguagem de plataforma nativa).

Abordagens no desenvolvimento de um aplicativo móvel podem ser combinadas. Por exemplo, crie telas críticas de desempenho em tecnologias nativas e secundárias em plataformas cruzadas.

Prós:

  • o desenvolvimento multiplataforma é muito mais rápido do que o desenvolvimento de aplicativos móveis nativos para várias plataformas diferentes ao mesmo tempo;
  • ótimo para startups que precisam chegar ao mercado mais rapidamente com um MVP para testar uma teoria;
  • adequado para a criação de aplicativos de eventos, por exemplo, para conferências de negócios, feiras, etc., devido à velocidade de criação;
  • o desenvolvimento multiplataforma muitas vezes contribui para o desenvolvimento mais eficaz dos desenvolvedores, pois envolve o trabalho com diversas tecnologias e ambientes e também estimula a capacidade de resolução de problemas;
  • multiplataforma é útil ao escrever um aplicativo simples com um pequeno número de telas para várias plataformas (um jogo móvel simples é ideal para multiplataforma).

Contras:

  • iOS e Android diferem significativamente, e isso causa dificuldades de desenvolvimento e muitos atrasos no trabalho do aplicativo finalizado (mais frequentemente, trata-se de elementos de interface e sua renderização, FPS de animação e indicadores de RAM de animação podem diferir em 3-5 vezes);
  • aplicativos de plataforma cruzada travam com mais frequência e ficam mais lentos;
  • é mais desafiador manter o código multiplataforma — a atualização dos sistemas leva à atualização frequente das interfaces de programação, o que requer mais tempo;
  • no mundo multiplataforma, há uma pequena comunidade e muitas vezes você tem que resolver os problemas sozinho. Há um alto risco de encontrar um problema que poucas pessoas conhecem;
  • o desenvolvimento de aplicativos de plataforma cruzada pode simplificar significativamente a vida e economizar dinheiro para um cliente e proprietários de negócios que são limitados por recursos financeiros e podem adicionar dores de cabeça a um desenvolvedor;
  • mas um aplicativo multiplataforma pode exigir grandes esforços dos desenvolvedores e investimentos significativos do cliente ao passar do MVP para um produto finalizado e ao dimensionar o produto;
  • um aplicativo multiplataforma pode usar mais bateria do dispositivo do usuário e até uma vez e meia, o que é inconveniente se o aplicativo for usado com frequência.

Assim, multiplataforma é mais uma propriedade do que um tipo de aplicativo móvel. Diferentes tipos de aplicativos móveis podem ser multiplataforma e não multiplataforma. Muitas fontes confundem e usam esses termos ("aplicativo multiplataforma'' e "aplicativo híbrido'') como sinônimos, embora haja uma diferença entre eles.

Como escolher o tipo de aplicação para o seu projeto?

É essencial entender os tipos e recursos dos aplicativos móveis para determinar e decidir rapidamente qual deles trará o máximo benefício para o cliente do aplicativo e seus usuários finais.

Considere vários fatores ao mesmo tempo ao escolher o tipo de aplicação:

  1. orçamento de desenvolvimento — um orçamento pequeno irá redirecioná-lo para um aplicativo da web, um orçamento médio permitirá que você se concentre em diferentes opções para aplicativos híbridos com recursos de plataforma cruzada e um orçamento alto permitirá que você crie um aplicativo móvel nativo com velocidade máxima e desempenho;
  2. objetivos do projeto e estágio do projeto — se você deseja apenas testar a ideia de inicialização e liberar um MVP, não deve gastar dinheiro imediatamente em todo o ciclo de desenvolvimento de um aplicativo nativo;
  3. você precisa de plataforma cruzada e com a ajuda de quais tecnologias será mais fácil implementá-lo em seu projeto;
  4. o público-alvo do produto e suas reais necessidades versus suas possíveis expectativas. Os usuários usarão esse aplicativo com frequência? Você precisa de gráficos e animação? Você precisa de uma alta velocidade do aplicativo para o usuário? Você precisa de recursos multiusuário ou acesso aos recursos de hardware do dispositivo? Quantas telas terá o aplicativo?
  5. velocidade de lançamento do produto — o ciclo completo de desenvolvimento de um aplicativo móvel nativo pode levar meses; para um lançamento rápido, você precisa implementar um aplicativo híbrido ou um aplicativo da web;
  6. planos para dimensionar o produto — é possível dimensionar seu produto no tipo de aplicativo inicialmente selecionado (web ou híbrido) ou você terá que mudar para o desenvolvimento nativo no futuro.

Todas essas respostas ajudarão a iniciar adequadamente o projeto e seguir na direção certa.

Existe uma maneira de manter as melhores qualidades de todos os aplicativos?

A plataforma sem código AppMaster.io oferece o conceito de tudo-em-um para o desenvolvimento de um aplicativo móvel.

O recurso crítico dos aplicativos móveis nativos é que eles são otimizados para um sistema operacional específico e podem usar os recursos de hardware dos dispositivos. Como você já sabe, isso leva a muito mais tempo de desenvolvimento, dinheiro e esforço do desenvolvedor. Alguns desenvolvedores fazem um aplicativo para Android, outros para iOS.

No mercado atual de criadores de aplicativos sem código, as plataformas sem código não se preocupam com isso, pois criar aplicativos sem código nativos é um processo muito complicado. Como resultado, as plataformas sem código oferecem a seus clientes a criação de aplicativos da Web ou aplicativos híbridos que gravitam em direção à Web, que podem funcionar em qualquer lugar. Ainda assim, sua funcionalidade é limitada porque os recursos de hardware dos dispositivos não podem ser usados.

AppMaster.io usa uma abordagem mais avançada:

  1. separação de aplicativos de backend e frontend, devido à qual é possível criar separadamente aplicativos de servidor para o backend e aplicativos de usuário para o frontend, que, por sua vez, são divididos em aplicativos web e aplicativos móveis;
  2. o aplicativo móvel criado na plataforma funciona em relação ao dispositivo e pode usar seus recursos de hardware;
  3. você pode criar um aplicativo universal que inicialmente será praticamente idêntico no iOS e no Android — você pode adicionar seus recursos a ele, por exemplo, fazer alterações na interface de um dos sistemas operacionais.

O acesso ao hardware do dispositivo oferece funcionalidades incríveis em aplicativos móveis, por exemplo:

  • Interação com sensores de luz — o aplicativo pode receber informações sobre o nível de iluminação da sala do dispositivo e, com base nesses dados, alterar o tema da noite para o dia;
  • Acesso à câmera do dispositivo — use-a para o scanner de código QR, que está disponível no AppMaster.io como um módulo gratuito;
  • A finalidade de uma ação de disparo em um dispositivo que ocorrerá se o dispositivo for abalado;
  • A capacidade de executar qualquer trigger quando o aplicativo está minimizado ou até mesmo o dispositivo está desligado;
  • Obter informações sobre a geolocalização do dispositivo e utilizá-lo no aplicativo criado;
  • Verifique o nível da bateria e ajuste a aplicação de acordo com ele.

A base de código já foi criada e o código é gerado automaticamente pelos requisitos do aplicativo. Não há necessidade de procurar desenvolvedores ou aprender um novo idioma. O construtor de aplicativos móveis facilita o desenvolvimento para diferentes plataformas e leva dez vezes menos do que o desenvolvimento clássico de qualquer aplicativo móvel. O custo não depende da escolha do sistema operacional – a tarifa para iOS e Android é a mesma e o preço da assinatura é muito menor em comparação com o custo do desenvolvimento clássico de um aplicativo móvel nativo.

A interface do usuário orientada por servidor remove a dependência de atualizações para alterar a interface do usuário. Basta publicar um aplicativo uma vez na AppStore ou PlayMarket, e todas as atualizações de interface e lógica serão entregues aos usuários instantaneamente. Você precisa fazer alterações na plataforma AppMaster.io e republicar o front-end e o back-end em um clique.

É um nível totalmente novo para a plataforma no-code, que traz o no-code para a criação de aplicativos móveis nativos, mas sem as principais desvantagens do desenvolvimento clássico de aplicativos móveis nativos. Você só pode usar suas vantagens - obtenha tudo de uma vez.

Conclusão

Existem vários tipos de aplicativos móveis. A escolha de um aplicativo móvel depende das necessidades do cliente e dos futuros usuários. Além disso, essa escolha é feita levando em consideração as desvantagens e vantagens de cada tipo de aplicativo móvel para um projeto futuro.

Suponha que um aplicativo totalmente nativo e totalmente da Web possa ser claramente definido. Nesse caso, o grau de hibridização do aplicativo pode ser representado como um espectro - ele pode gravitar em direção ao nativo ou contar com a funcionalidade da web.

Você pode tentar criar seu primeiro aplicativo de diferentes tipos agora mesmo na plataforma sem código AppMaster.io sem escrever uma única linha de código, apenas com a ajuda de um editor visual conveniente.